Agosto Lilás celebra os 16 anos da Lei Maria da Penha

Por Redação em 04/08/2022 às 14:38:38

Em comemoração pelos 16 anos da Lei Maria da Penha e para reforçar o enfrentamento da violência contra as mulheres, o Congresso Nacional lançou, nessa quarta-feira (3), a campanha Agosto Lilás, com o tema "Um instrumento de luta por uma vida livre de violência".

A cerimônia no Salão Negro contou com a presença de parlamentares e autoridades femininas, com a apresentação musical da Orquestra Sinfônica das Forças Armadas Brasileiras e iluminou os prédios das duas Casas Legislativas na cor lilás, que permanecerá de 14 a 17 de agosto.

A iniciativa é da Procuradoria Especial da Mulher e da Liderança da Bancada Feminina pelo Senado e também da Secretaria da Mulher, Procuradoria da Mulher e Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher pela Câmara.

A procuradora especial da mulher do Senado Federal, senadora Leila Barros (PDT-DF), pediu um minuto de silêncio pelas mulheres vítimas de violência.

— Em 2021, em média, uma mulher foi morta a cada sete horas vítima de feminicídio em nosso país, segundo dados oficiais. Como se vê só a lei não basta. É preciso um trabalho cotidiano para promover a mudança cultural necessária para pôr fim a essa triste realidade — afirmou.

Rede básica

A procuradora da mulher da Câmara dos Deputados, deputada Tereza Nelma (PSD-AL), salientou a importância das delegacias especializadas e das casas abrigo para mulheres.

— A eficácia da lei depende da plena execução por parte de todos os órgãos envolvidos no processo. Mulher é prioridade quando? — provocou.

A líder da bancada feminina no Senado, senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA), defendeu mais recursos orçamentários para as políticas em defesa das mulheres.

— O Orçamento não tem que ser fictício, ele tem que existir. É por isso que é fundamental que todas nós, enquanto mulheres, possamos exigir e cobrar do Poder Executivo brasileiro e de todos os estados o cumprimento daquilo que é direcionado para as mulheres, sem contingenciar ou remanejar, para que aquilo que esteja na lei possa ser uma realidade praticada todos os dias na sociedade — disse Eliziane.

Judiciário

A ouvidora do Conselho Nacional Da Justiça, Tânia Reckziegel, confirmou a importância desse reforço sob o ponto de vista do Judiciário.

— Quando os processos chegam ao Judiciário é porque falhamos. A rede falhou, a sociedade falhou, porque, na grande maioria dos casos, a mulher morreu, vítima de feminicídio — lamentou.

A representante do Consórcio Maria da Penha, antropóloga e professora da UnB, Lia Zanotta, defendeu o fim dos estereótipos de gênero. Ela lembrou que o direito a saúde e felicidade é de todos os membros da família.

Questão racial

Representante da ONU Mulheres Brasil, Anastasia Divinskaya manifestou o empenho da organização de continuar o trabalho no Brasil para garantir os direitos humanos a todas as mulheres, desde a infância.

Por fim, a coordenadora de parcerias do Instituto Avon, Renata Rodovalho, apresentou dados de estudo sobre os efeitos das delegacias da mulheres para redução dos feminicídios, conduzido por pesquisadores do Insper, FGV, UFRJ e Universidade de Toronto.

— Ainda é preciso lidar com a questão racial quando a gente fala de enfrentamento à violência contra a mulher no Brasil. Mulheres pretas e pardas só se beneficiaram da redução de letalidade por mortes violentas naqueles municípios onde, além das delegacias das mulheres, encontrava-se um cenário de alta escolaridade, infraestrutura urbana, transporte e comunicação — concluiu.

Lei Maria da Penha

A Lei 11.340, de 2006, ganhou o nome de lei Maria da Penha em homenagem à farmacêutica bioquímica que ficou paraplégica devido a agressões do então marido. Hoje, é considerada legislação referência em todo o mundo no combate à violência contra a mulher. A violência doméstica passou a ser tipificada como uma das formas de violação aos direitos humanos e os crimes relacionados passaram a ser julgados em varas criminais.

O Anuário Brasileiro de Segurança Pública de 2022 apontou leve redução no número de feminicídios em 2021 na comparação com 2020. Mesmo assim, 1.341 mulheres foram assassinadas no ano passado apenas por serem mulheres. O documento, além disso, aponta o crescimento de outras formas de violência contra a mulher, como a psicológica.

Fonte: Senado Federal

Comunicar erro
Agro Noticia 728x90