Gás de cozinha compromete quase 10% do salário mínimo, diz pesquisa

Por Redação em 27/04/2022 às 21:17:27

O preço do GLP (gás liquefeito de petróleo), o gás de cozinha, bateu novo recorde histórico em abril, atingindo a maior média mensal real (descontada a inflação) desde março de 2001, quando foi iniciada a série histórica, segundo levantamento do Observatório Social da Petrobras (OSP), organização ligada à Federação Nacional dos Petroleiros (FNP).

O botijão de 13kg é vendido no Brasil a um valor médio de R$ 113,48, representando 9,4% do salário mínimo, atuamente em R$ 1.212, maior percentual de comprometimento desde 2007, segundo a OSP.

Naquela época, o botijão custava R$ 33,06 e o salário mínimo era de R$ 350.

Em março, o gás de cozinha já tinha alcançado o maior preço médio real da série histórica, vendido a R$ 109,31.

O gás de cozinha voltou a comprometer o salário mínimo na mesma proporção de 2007, segundo o economista do OSP Eric Gil Dantas, acrescentando que nos últimos 15 anos, houve queda nessa proporção, com uma inversão de cenário a partir de 2017.

Dantas ressalta ainda que essa mudança trouxe um primeiro efeito imediato, que foi o crescimento do uso de lenha pelas famílias brasileiras.

Dados da Empresa de Pesquisa Energética (EPE) mostram que a partir de 2017 a população voltou a consumir mais lenha do que o gás nas residências do país.






Fonte: IG

Comunicar erro
Agro Noticia 728x90