Homem que tentou queimar ex-namorada viva é condenado a 7 anos de prisão, no DF

Por Redação em 24/11/2021 às 12:26:51

Alessandro Jhon da Silva Santos jogou gasolina na cabeça e corpo da vítima, às margens do Lago Paranoá, em outubro de 2020. PM recebeu denúncia anônima e chegou a tempo de prender agressor; g1 tenta contato com defesa do réu. Homem é preso após tentar queimar ex-namorada viva, no DF

Polícia Militar/Divulgação

O homem que tentou queimar a ex-namorada viva, em outubro de 2020, foi condenado pelo Tribunal do Júri de Brasília por tentativa de homicídio. Alessandro Jhon da Silva Santos vai cumprir pena de sete anos, dois meses e 20 dias de prisão, em regime inicial fechado.

De acordo com o processo, na manhã de 3 de outubro de 2020, Alessandro Jhon, na companhia de dois amigos, forçou a vítima a entrar em um carro, no Lago Norte, e a levou, sob ameaças, a um gramado próximo ao Lago Paranoá, em um lugar escondido.

LEIA TAMBÉM:

DESDE 2015: feminicídios deixaram 134 vítimas e 151 órfãos no DF

VÍDEO: Homem ataca ex-mulher com faca na Asa Sul

SAMAMBAIA: Homem é preso por matar própria mãe deficiente, de 84 anos, no DF

Segundo a denúncia do Ministério Público (MPDFT), o homem derramou um galão de gasolina na cabeça e no corpo da ex-namorada, mas uma viatura da Polícia Militar apareceu no local, após denúncia anônima. Nesse momento, a vítima saiu do carro correndo e pediu socorro.

O g1 tenta contato com a defesa de Alessandro Jhon. Como o caso está em segredo de Justiça, não é possível saber mais detalhes sobre o caso. O réu permanece preso e não poderá recorrer em liberdade.

Homem foi preso pela PM no momento em que ia atear fogo à ex-namorada (vídeo de arquivo)

Para o Ministério Público, o crime ocorreu por motivo torpe, praticado com emprego de fogo, com uso de recurso que dificultou a defesa da vítima. Além de ser realizado contra mulher, por razões da condição do sexo feminino, o caso configura uma tentativa de feminicídio.

O juiz Paulo Rogério Santos Giordano, que julgou o caso, aceitou a denúncia do MPDFT e condenou o Alessandro por tentativa de homicídio, com as quatro qualificações indicadas pelos promotores.

Como e onde denunciar violência contra mulheres?

Em meio à pandemia ao novo coronavírus, a Secretaria de Secretaria de Segurança Pública do DF (SSP) tem canais de atendimento que funcionam 24 horas. As denúncias e registros de ocorrências podem ser feitos pelos seguintes meios:

Telefone 197

Telefone 190

E-mail: [email protected]

Whatsapp: (61) 98626-1197

Delegacias – que são consideradas serviço essencial – continuam funcionando normalmente. Trinta delas atendem em regime de plantão ininterrupto de 24h.

O DF tem duas Delegacias Especializada de Atendimento à Mulher (Deam), na Asa Sul e em Ceilândia, mas os casos podem ser denunciados em qualquer unidade.

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), também recebe denúncias e acompanha os inquéritos policiais, auxiliando no pedido de medida protetiva à Justiça.

Em casos de flagrante, qualquer pessoa pode pedir o socorro da polícia, seja testemunha ou vítima.

Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (DEAM)

Endereço: EQS 204/205, Asa Sul, Brasília

Telefones: (61) 3207-6195 e (61) 3207-6212

Delegacia de Atendimento Especial à Mulher (DEAM II)

Endereço: QNM 2, Conjunto G, Área Especial, Ceilândia Centro

Telefone: (61) 3207-7391

Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT)

Endereço: Eixo Monumental, Praça do Buriti, Lote 2, Sala 144, Sede do MPDFT

Telefones: (61) 3343-6086 e (61) 3343-9625

Prevenção Orientada à Violência Doméstica (Provid) da Polícia Militar

Contato: 3190-5291

Central de Atendimento à Mulher do Governo Federal

Contato: 180

Leia mais notícias sobre a região no g1 DF.

Fonte: G1/DF

Comunicar erro
Agro Noticia 728x90