Argentina congela preços de 1.247 produtos para tentar conter inflação

Por Redação em 14/10/2021 às 20:09:53

Aumento geral é um problema persistente no país, que registra taxas anuais de dois dígitos há duas décadas. Protestos nesta quarta-feira (14) em Buenos Aires por mais empregos e melhores salários

Matias Baglietto/Reuters

O governo argentino fechou um acordo com empresários para manter por 90 dias os preços de mais de mil produtos básicos da cesta familiar, em uma tentativa de conter a inflação, uma das mais altas do mundo, que acumula 37% em 2021.

"Esses 1.247 produtos com preços congelados serão uma âncora para a inflação", afirmou nesta quinta-feira (14) o secretário de Comércio Interior, Roberto Feletti.

Segundo o acordo, os preços desses produtos, correspondentes a alimentação e limpeza, devem recuar até 1º de outubro e permanecer inalterados até 7 de janeiro.

BC do Chile tem maior aumento de juros em 20 anos por pressões inflacionárias

FMI reforça riscos de inflação, mas diminui pouco a projeção de crescimento global

Mercado financeiro volta a elevar estimativas de inflação do Brasil para 2021 e 2022

"O fundamental é frear a inflação e garantir um trimestre de muito consumo", declarou Feletti à rádio El Uncover. O Instituto Nacional de Estatísticas divulgou nesta quinta-feira que o índice de inflação em setembro foi de 3,5%, o que elevou a taxa interanual para 52,5%.

Vídeo: Pobreza na Argentina fica acima de 40% pelo 2º ano seguido

Ariel: Pobreza na Argentina fica acima de 40% pelo 2º ano seguido

A inflação é um problema persistente na Argentina, que registra taxas anuais de dois dígitos há duas décadas. O acordo de preços amplia e reforça o programa "Preços Cuidados", lançado em 2014 para estabelecer valores de referência de 500 produtos básicos da cesta familiar, como instrumento de combate à inflação.

O novo pacto de preços foi aprovado no âmbito de protestos de organizações sociais, que exigem mais assistência e subsídios alimentares devido à crise econômica, que mantém 40% da população na pobreza.

Semanas atrás, o governo decidiu aumentar em 16% o salário mínimo, para elevá-lo a 33.000 pesos mensais (US$ 317), menos da metade do valor da cesta básica de uma família típica, segundo o Indec.

Também anunciou o pagamento, a partir de outubro, de um complemento que beneficiará quase 2 milhões de assalariados registrados.

A Argentina irá realizar eleições legislativas em 14 de novembro, nas quais o governo tentará manter a maioria no Senado, faltando dois anos para o fim de seu mandato.

Fonte: G1

Comunicar erro
Agro Noticia 728x90