Coronavirus 1456x180

Minoritários acusam operador de 'insider trading' com ações da Petrobras e acionam CVM

Por Redação em 03/03/2021 às 15:59:54


Reprodução/JN

A associação que representa investidores minoritários Abradin apresentará à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) nesta quarta-feira (3) uma representação pedindo a investigação de um operador que teria feito movimentação suspeita com ações da Petrobras no mercado de opções, afirmou à Reuters o presidente da entidade, o economista Aurélio Valporto.

A operação, segundo o presidente da Associação Brasileira de Investidores, teria ocorrido entre uma reunião em Brasília em que se teria definido a saída do presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, e a indicação do general Joaquim Silva e Luna para assumir o comando da companhia.

Quatro conselheiros da Petrobras pedem para deixar o cargo após troca de comando da estatal

CVM pode abrir processo para investigar operações suspeitas com ações da Petrobras

Um operador comprou um volume expressivo de opções da petroleira apostando na queda dos papéis da estatal. A operação pode ter rendido cerca de R$ 18 milhões, um volume nunca antes registrado na bolsa paulista em casos como esse, segundo o economista.

"Já está muito claro que houve crime e tem evidências sobre isso tudo. A sociedade e o judiciário precisam entender que isso é roubo. São pessoas ganhando e, se não houver punição, a credibilidade do mercado é minada e nunca teremos nele uma fonte de financiamento do país", disse Valporto.

"A operação com a opção tinha tudo para virar pó, mas quem fez isso, comprar 4 milhões de opções, sabia que ia cair mais ainda. Não há dúvidas que houve vazamento sobre a troca na Petrobras, crime de 'insider trading'."

As ações preferenciais da Petrobras, que operavam em baixa de 4% no meio da tarde desta quarta-feira, recuaram 22,7% desde o dia 19 de fevereiro.

Quatro integrantes do conselho de administração da Petrobras pedem para deixar cargos

A representação à CVM é um primeiro passo para uma investigação mais aprofundada sobre o caso. A expectativa da Abradin é que o caso seja apurado e encaminhado ao Ministerio Público para um futuro oferecimento de denúncia contra o protagonista da operação.

"A CVM é o primeiro passo, até porque ela sabe de todas as operações que ocorrem na B3. Esperamos que a CVM dê uma satisfação e, se ela e o MP não fizerem nada, nós faremos na Justiça, como fizemos com o Eike", disse Valporto.

O empresário Eike Batista, que esteve dentre os homens mais ricos do mundo, foi condenado em fevereiro pela Justiça do Rio de Janeiro a quase 12 anos de prisão por crimes no mercado financeiro. Eike pegou uma pena de seis anos e oito meses e multa de quase 409 milhões pelo crime de "insider trading". Ainda cabe recurso.

Procurada sobre a operação com opções da Petrobras, a CVM informou que "acompanha e analisa informações e movimentações envolvendo companhias abertas, tomando as medidas cabíveis, sempre que necessário." A autarquia disse ainda que "não comenta casos específicos". A B3 informou que também não vai se manifestar.

Fonte: G1

Comunicar erro
InfoJud 728x90

Comentários

Agro Noticia 728x90