Ano letivo pode se estender até 2021, avalia secretário municipal da Educação de SP

Por Redação em 06/08/2020 às 09:25:27

O secretário municipal da Educação de São Paulo, Bruno Caetano, declarou que os alunos, no retorno, serão submetidos a uma prova logo nas primeiras semanas do retorno às aulas para avaliar o que foi ou não aprendido EAD na pandemia. "Assim, vamos calibrar o calendário e os reforços. Pode ser que o ano letivo se estenda até 2021 para garantir menores perdas de conteúdo", avaliou. Caetano disse entender que a maioria dos pais não são professores e pedagogos, então não é justo jogar essa responsabilidade da aprendizagem dos filhos nas costas deles. "Existem esforços, mas nada substitui as interações aluno-aluno e aluno-professor."

O secretário municipal ainda que não tem data para anunciar a retomada das aulas presenciais na cidade. Porém, ele acha prematuro confirmar que não será possível o retorno às escolas ainda em 2020. "Marcar data para retorno é prematuro, mas afirmar que não volta esse ano também é. Precisamos aguardar a evolução da pandemia, acompanhar dia a dia e semana a semana. Quem vai ditar as normas é a área da Saúde. Não dá para prever como a cidade estará em setembro, outubro, novembro, dezembro. Apesar do grande esforço, nada substitui a aula presencial. Mesmo que os alunos tenham um mês de aula, é melhor que nada."

Em entrevista ao Jornal da Manhã, da Jovem Pan, Bruno Caetano falou sobre as diretrizes aprovadas na Câmara Municipal na última quarta-feira (5). "O projeto traz melhores condições para o retorno. Com ele, nós temos espaço para adquirir novas vagas para não deixar a fila da pré-escola voltar; permitir que a secretaria contrate professores temporários, já que os que tem mais de 60 anos ainda não vão voltar às atividades; e adquirir nosso contratos de limpeza. Do ponto de vista pedagógico, as aulas de reforço e o tempo integral devem ser ampliados."

Leia também

Mesmo sem data de volta às aulas, Câmara de SP aprova diretrizes para reabertura de escolas

Rossieli Soares defende retomada das aulas ainda em 2020: 'Mesmo que seja em novembro, precisa voltar'

MEC admite a deputados não saber quantos alunos da rede pública estão assistindo aulas virtuais

Sobre a volta facultativa dos alunos, o secretário municipal falou que os pais já tinham uma proteção legislativa sobre o tema. As crianças do Ensino Infantil podem faltar até 40% do ano, os jovens do Fundamental e Médio podem se ausentar 25% dos dias. As famílias que não quiserem mandar os filhos para as aulas podem valer dessas faltas regulamentares. Mas nosso entendimento é que usar esse bolsão seria ruim porque faria que o poder público deixasse de dar suporte pedagógico e alimentar", avalia. "É melhor que usem esse procedimento e o poder público regulamente a decisão."

Fonte: JP

Comunicar erro
Agro Noticia 728x90